Você sabe o que é behavioral targeting?

Um programa de behavioral targeting tem benefícios claros: rastrear o comportamento online de visitantes em uma URL específica ou mesmo entre múltiplas páginas; construir o perfil desses visitantes utilizando cookies e, por fim, oferecer conteúdo específico, baseado nos diferentes perfis de visitantes.

Assim é possível executar testes de comunicação, oferta e call to action, além de poder oferecer conteúdos distintos de uma mesma ação ou campanha para usuários distintos. O refinamento chega a tal ponto de podermos testar se o preço cheio ou parcelado em um banner gera mais ou menos conversão em vendas, para um target específico ou grupos de controle variados.

Em ações de behavioral targeting que já gerenciei, o número de returning visitors chegou a ser três vezes mais propenso à compra do que os new visitors. Além disso, os returning customers que tinham anteriormente comprado algo estavam muito mais propensos a comprar novamente. Indo mais adiante, o AOV (Average Order Value) dos returning buyers era signficativamente maior.

Existem numerosas segmentações possíveis ao se implementar um programa de behavioral targeting. Para tornar a explicação mais didática, podemos dividi-las em quatro categorias:

Origem: busca natural (search engine), email marketing, display ads, programas de afiliados, etc.

Temporais: hora do dia, dia do mês, sazonalidade, recência, freqüência, etc.

Técnicas: IP (geográfica), idioma, sistema operacional, resolução, browser, etc.

Transacionais: new visitor, returning visitor, produtos vistos, compra não realizada, páginas importantes não vistas, cálculos realizados, etc.

Um exemplo prático do uso da categoria origem: um usuário entra no seu site, porque foi impactado por uma promoção através de um programa de afiliados. Este usuário acessa a página, vê a oferta, mas abandona a visita. Numa próxima visita, através das adaptações implementadas na sua página web (site targeting), você poderá promover uma nova oferta, utilizando um diferencial de preço, por exemplo.

Um outro exemplo, utilizando mídia comprada, dados transacionais e site targeting: um visitante clicou num display ad e chegou até seu site. Ele chega até a página, olha, mas abondona a visita.  Considerando adaptações no site e nos display ads, as novas peças de mídia vão oferecer ofertas especiais utilizando a segmentação de dados transacionais, por exemplo. O usuário, agora impactado novamente pela oferta, poderá retornar ao seu site e facilmente encontrar o produto em destaque.

O advento da segmentação comportamental, o chamado behavioral targeting, tem ajudado muitos anunciantes na compra de mídia digital, a partir do momento que eles podem fazer a ligação entre as impressões compradas e o perfil de consumidor que aparece nos clicks e visitas. Claro que isso tudo ajuda a movimentar e enriquecer a indústria digital, no sentido de vender audiências mais qualificadas. Além disso, a adoção do behavioral targeting faz com que o último click seja cada vez mais colocado em análise, porque o histórico online do consumidor passa a ser o que realmente importa.

Share This Article :

Related Posts

Inovação e empregabilidade

15 de Fevereiro de 2018

Inovação é a saída para o varejo

14 de dezembro de 2017

Leave A Reply