11 Profissões Que Serão Assassinadas Por Robôs Até 2034

De acordo com um estudo recente da Universidade de Oxford, 47% dos postos de trabalho correm sério risco de serem completamente automatizados em até duas décadas.

Isso significa que, até 2034, centenas de milhões de trabalhadores provavelmente perderão seus empregos para robôs.

Esse estudo, que teve como objetivo medir o impacto crescente da tecnologia no mercado de trabalho, revelou outra tendência assustadora: além dos trabalhos manuais (que serão mais rapidamente substituídos pela tecnologia), os robôs assumirão também muitas tarefas cognitivas (que dependem de inteligência e processamento cerebral), devido ao aumento da capacidade de armazenamento de Big Data.

“As pessoas devem estar cientes de que as profissões menos qualificadas serão substituídas primeiro pela automação, enquanto os empregos que exigem intuição e criatividade sofrerão menores riscos”, afirma Scott Dobroski, especialista da Glassdoor (um site comunitário de carreira profissional). 

Caso você esteja querendo trabalhar em alguma destas profissões a seguir, eu sugiro que você reconsidere os seus planos. Eis as 11 profissões para as quais você não deverá enviar seu currículo no futuro:

1) Caixa de Banco

Quando foi a última vez que você usou serviços de um caixa bancário? A não ser que você seja extremamente metódico, deve fazer muito tempo.

“Pelo menos 85% das coisas que você pode fazer no caixa, pode fazer também no caixa eletrônico”, afirma Mark Gilder, diretor estratégico de distribuição no Citibank. Pra quê perder o seu tempo passando por detectores de metais, e depois tendo que suportar caixas de banco destreinados e temperamentais? 

2) Telefonista

Telefonistas (pessoas que interagem ao telefone para serviços em empresas) são uma espécie de refugiados (graças a automação e a terceirização onipresentes). Empresas já vêm evitando gastos desnecessários com remuneração desses profissionais (muitas delas já vêm usando softwares pra realizar esse tipo de serviço, como o Virtual Receptionist ou o Davinci Live Receptionist).

Enquanto isso, no Japão, algumas empresas já usam robôs pra realizar essa função. Porém, como as pessoas sabem, fazer uma ligação e ser direcionado para um robô é tão desagradável quanto desumano, e essa é justamente uma das razões pelas quais recepcionistas não vêm sendo substituídos em massa. Ainda.

3) Agente de Viagens

Há alguns anos atrás, você precisava visitar um agente de viagens pra reservar um vôo e garantir uma estadia decente em um hotel ou pousada para curtir suas férias. Esses agentes, aparentemente, lhe indicavam o melhor pacote de viagens disponível (segundo suas exigências de preço, conforto e lazer).

No entanto, essa tarefa pode ser realizada preferivelmente por nós mesmos, e além disso, pelo fato de muitos considerarem essa profissão como supérflua, a BLS (Bureau os Labor Statistics) prevê um declínio de 12% nesse emprego em 8 anos.

4) Datilógrafo

Você consegue imaginar um presidente ou executivo tendo que pedir pra sua secretária redigir uma carta? Talvez consiga.

Mas nos dias atuais, com tantos recursos (como e-mails, aplicativos de mensagens instântaneas e softwares de reconhecimento de voz), a noção de um datilógrafo é cada vez mais ridícula e antiquada. Eu imagino que você provavelmente pensará em queimar aquelas suas cartas antigas.

5) Portador de Correio

O império tecnológico, representado neste caso pelos e-mails, está causando uma queda global e vertiginosa no montante de serviços de correio. A Amazon, por exemplo, pode ser citada como a pioneira em implementar serviços de entrega usando drones (que são nada mais que robôs).

A BLS prevê uma queda de 28% nessa profissão até 2022, sendo que esse ofício deverá ser totalmente extinto até o ano de 2034.

6) Caixa de Supermercado (ou Cobrador de Varejo)

A profissão de caixa talvez seja o exemplo mais óbvio de uma ocupação que pode ser substituída por uma máquina. Se você foi a algum supermercado recentemente em alguns países do exterior, sem dúvida notou o surgimento de máquinas de self checkout. O número dessas máquinas no mundo quadruplicou desde 2008 (chegando hoje a 430 mil delas), o que sugere uma tendência inexorável: os profissionais de caixa, em geral, estão com os dias contados.

7) Repórter de Jornal Impresso

Blogs, serviços de agregação e compartilhamento de informações (como o Google News), e a digitalização da informação em geral estão tornando o consumidor menos dependente de jornais impressos. Como resultado, a circulação de jornais está em decadência, caminhando rapidamente rumo à extinção (http://bit.ly/1jZrbrP).

Como alternativa à mídia impressa, existem múltiplos recursos, como por exemplo o software usado pelo jornal americano The New York Times, que usa a tecnologia de web semântica para escrever seus anúncios. Tudo isso e mais um pouco leva a BLS a concluir que essa profissão irá diminuir 13% até 2022, e será reduzida à cinzas até 2034, com certeza.

8) Assistente de Dados

Softwares vêm ocupando essa profissão de forma integral e, dessa maneira, exclui a necessidade de se contar com seres humanos para realizar essa função.

9) Operador de Telemarketing

Uma reportagem na revista The Economist (sobre o panorama futuro do mercado de trabalho), calculou que existe a probabilidade de 99% de que os operadores de telemarketing sejam substituídos por máquinas no futuro. Ou seja, essa profissão já pode ser considerada como extinta.

Poucos vão lamentar a morte dessa profissão, e ninguém contesta que os operadores de telemarketing serão substituídos massivamente por robôs, que podem fazer esse trabalho com uma produtividade (e paciência) além de qualquer indivíduo.

10) Relojoeiros

Infelizmente, essa profissão nobre e meticulosa também está fadada ao desaparecimento. Em 2010, haviam 3.200 relojoeiros nos EUA. Em 2018, esse número cairá para 400 (ou 14% deles).

De acordo com a Occupation Outlook Handbook, “o emprego de reparadores de relógios deverá diminuir rapidamente. O alto custo dos reparos vai obrigar muitos consumidores a substituir seus relógios, em vez de consertá-los”.

11) Cirurgiões

Apesar dessa ser uma profissão extremamente delicada e de grande responsabilidade para ser delegada à robôs, a precisão das cirurgias robóticas é incomparável em relação às intervenções médicas humanas. Os benefícios das cirurgias feitas por robôs incluem incisões menores, diminuição da perda de sangue e maior agilidade no processo.

Em 2007, na Universidade de Illinois, foi realizada pela primeira vez uma cirurgia totalmente robótica (no caso, uma pancreatomia), com sucesso total.

Na sua próxima cirurgia, você vai confiar na mão firme do seu cirurgião, ou nos traços calculados de um sistema robótico?

Share This Article :

Related Posts

Leave A Reply